17

O nosso padrão de consumo e a forma como nos relacionamos com as empresas se modificou.
Antes de comprarmos algum item, é comum pesquisarmos sobre ele na internet. Se você quer comprar um relógio, óculos ou um celular, por exemplo, normalmente fará uma pesquisa na internet, comparando modelos, experiências de outros consumidores e, claro, promoções. E então, com apenas um clique você compra, seja qual for o seu objeto de desejo. Essa é uma das facilidades do e-commerce, o comercio pela internet.
As pessoas não têm mais tanto tempo para se deslocarem até as lojas físicas, quando fazem é apenas para “experimentar” o produto, mas acabam comprando o mesmo em uma loja virtual, que costuma apresentar melhores condições de pagamentos e até ofertas diferenciadas.
Com o avanço da internet, as pessoas perderam o medo das compras online, e estão preferindo a comodidade de poder comprar a hora que quiser e de onde desejar, recebendo todos os produtos em casa.

» A força das lojas online

Os primeiros sinais dessas mudanças já estão sendo sentidos principalmente nos Estados Unidos. De acordo o banco Credit Suisse, no país, mais de 3.200 lojas físicas já fecharam neste ano. Muitas outras deverão fechar, serão 8.600 no total. E o motivo não é nenhuma crise econômica ou política, mas sim o avanço das lojas virtuais, que têm feito com que muitos empresários sintam essa concorrência.
É inegável o poder que a internet tem na nossa sociedade atualmente. Com a chegada dos smartphones isso se tornou ainda mais perceptível, afinal, estamos o tempo todo conectados.

» Aplicativos são os preferidos

Considerado uma evolução do e-commerce, o mobile commerce ou m-commerce é toda a transação comercial de bens e serviços feita através de dispositivos móveis. Para realizar a compra, o consumidor utiliza aparelhos como celulares e tablets, e suas funcionalidades, como aplicativos e acesso às lojas virtuais.
Em uma pesquisa divulgada pela Opinion Box, encomendada pela PayPal, empresa de pagamentos online, mostra que 49% dos entrevistados preferem comprar através de aplicativos de lojas. Vale destacar que 30% afirmaram pesquisar o produto pelo computador e comprar via mobile. Então, se a sua loja virtual não se adaptar ao celular do cliente, já se considere atrás dos seus concorrentes.

» A hora é agora

De acordo com a Serasa Experian, após três anos de queda nas vendas, o comércio brasileiro retomou o crescimento. Pela primeira vez desde 2011, o cenário econômico é visto com otimismo. E se no comércio tradicional há essa sensação, quando se fala do online, a perspectiva de crescimento é maior.
A Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm), mostra que e-commerce brasileiro que tinha um faturamento de R$ 18,5 bilhões em 2011, apresentou mais de R$ 60 bilhões em 2017, ano em que alcançou 12% de crescimento. Com um cenário econômico favorável e boas tendências de mercado, a previsão é que, em 2018, o crescimento do e-commerce nacional supere 15%, chegando a mais 220 milhões de pedidos e um faturamento de R$ 69 bilhões.
Existem diversas formas de implementar novos conceitos, gerir processos internos e estratégias para o negócio online. Essa nova modalidade de comércio eletrônico é uma oportunidade de conquistar clientes que vivem conectados e que realizam cada dia mais compras pelos dispositivos móveis.

Deixe um comentário